Wednesday, 10 October 2007

Dedicado à Carolina

I

És ainda uma flor
Descendente de mim
Amo-te com todo o amor
Tenho-te amor sem fim

II

És ainda pequenina
Mas amanhã serás mulher
E assim menina
Saberás quanto a avó te quer

Para Amigos

A Fraternidade
É um belo sentimento
Isto é bom de dizer
Mas se não houver amizade
A felicidade
Nunca pode acontecer
Acredito eternamente

Acordar

I

Imaginar talvez
Seja possível acordar
D'um sono profundo
Que eu tive, a sonhar
Que um dia eu voava pelo Mundo
No espaço, talvez
Eu não quero recordar

II

Se voei não me lembro
Sei que foi um sonho atroz
Sei que despertei talvez
Sei que foi em Setembro

III

Sei que um sonho destrói
A nossa alma por dentro
Há certos sonhos que doem
E nada mais estou querendo lembrar

Natal

O Nascimento de Jesus
É uma beleza
Eu peço a Deus-Pai
Que acabe com a pobreza
A todos nos dê luz
Isto do meu coração sai
É Natal.

Poema à Minha Mãe

Com a tua sensibilidade de mãe
Duas filhas deste ao mundo
Eu quis imitar-te também
Foste sempre calorosa
Tive-te sempre amor profundo
A tua flor preferida era a Rosa
Sou tua filha, minha mãe

Não te esqueçi jamais
Apesar de teres partido
Para a viagem sem fim
Pelo facto de teres morrido
Fomos sempre naturais

O que sinto dentro de mim
É lindo, minha mãe!
Dei-te de presente nove netos
São todos diferentes
E quatro bisnetas lindas
Mas para ficares contente
Dei-te dois bisnetos também

Sou feliz assim
Todos eles, meus predilectos.